sábado , dezembro 10 2016
Home / Futebol / Criciúma recupera os três pontos perdidos por escalação irregular de atleta

Criciúma recupera os três pontos perdidos por escalação irregular de atleta

O Tigre catarinense consegue efeito suspensivo e recupera os pontos perdidos na partida contra o Goiás.

Mesmo sem entrar em campo, o Criciúma subiu posições na tabela do Campeonato Brasileiro da Série A. O clube carvoeiro conseguiu um efeito suspensivo e recuperou, temporariamente, os três pontos perdidos pela escalação irregular do atacante Cristiano, na partida contra o Goiás, válida pela segunda rodada da competição.

Com o aval do relator Jurandir Ramos de Souza, o Tigre passa a ter 14 pontos e chega à 12ª posição, ultrapassando o Palmeiras. Entretanto, um novo julgamento no Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pode determinar o retorno à soma inicial. O pedido foi embasado na alegação de que, na comunicação entre o tribunal e a CBF, não foi exposta a punição ao dianteiro.

Neste contexto, a diretoria do Tigre procurou não se manifestar, até que o recurso seja julgado no Pleno. Até o momento, não foi marcada a data da audiência.

Fernando Ribeiro/Criciúma E.C.

Destaque do Londrina no título do Campeonato Paranaense, Cristiano ainda não embalou no elenco carvoeiro

O caso –  Na ocasião, diante do clube esmeraldino, o Criciúma acabou superado por 1 a 0, fora de seus domínios, e acabou denunciado no artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que indica: “Incluir na equipe, ou fazer constar da súmula ou documento equivalente, atleta em situação irregular para participar de partida, prova ou equivalente”.

Assim, a pena imposta é a “perda do número máximo de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente, e multa de R$ 100 (cem reais) a R$ 100.000 (cem mil reais)”.

Na época em que defendia o Naviraiense-MS, Cristiano foi expulso por agredir um adversário e foi punido com cinco jogos de suspensão. Porém, só cumpriu um, no duelo contra o Paysandu, pela Copa do Brasil. Como não disputou mais competições nacionais, não terminou de concluir a pena imposta. A diretoria catarinense afirma que, quando contratou o dianteiro, não havia restrições, já que o atleta havia disputado o Campeonato Paranaense normalmente.

Da Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.