domingo , dezembro 4 2016
Home / Poemas e poesias / Poeta, cante o que sinto, Que sinto e não sei cantar.

Poeta, cante o que sinto, Que sinto e não sei cantar.

Poeta e reverendo Brás Ivan - Reprodução: Facebook

Foto: Reprodução/Facebook

O reverendo, poeta e glosador pernambucano, Brás Ivan, glosa com grande maestria um mote bastante conhecido, porém de autoria ainda desconhecida, tanto que Brás descreve abaixo:

“Alguns versos num mote que só Deus sabe de quem é.”

Cante as noites que passei
Em claro pensando nela.
Descreva a boquinha dela,
Que por ventura beijei.
Cante as frases que deixei
Infindas ao gaguejar…
Só você sabe rimar
meu pecado e meu instinto.
Poeta, cante o que sinto,
Que sinto eu não sei cantar.

Cante as dores que padeço
Sem dividir com ninguém;
Cante a dor de querer bem
A quem não me tem apreço;
Cante pra ver se’u esqueço,
De quem só vivo a lembrar;
Cante qu’eu só sei chorar
E quando choro não minto.
Poeta cante o que eu sinto,
Que sinto e não sei cantar.

Descreva meu coração
Nas muitas dores que sofre
Sendo atualmente um cofre
De armazenar solidão…
Cante sua frustração
E seu eterno penar:
Com muito amor para dar,
Porém de amor faminto.
Poeta, cante o que sinto,
Que sinto e não sei cantar.

Poeta, estou me sentindo
Como um peixe fora d’água,
Cheio de angústia e mágoa
Com essa dor me oprimindo…
Vejo a vida se exaurindo
E s’isso continuar,
Posso me considerar
Um animal quase extinto.
Poeta, cante o que sinto,
Que sinto e não sei cantar.

Cante de modo ordenado
Minhas muitas desventuras.
As eternas amarguras
Pelas quais tenho passado…
De modo simplificado,
Cante, em verso, o meu penar.
Cante num tom singular,
Sutil, pacato e distinto…
Poeta, cante o que sinto,
Que sinto e não sei cantar.

Brás Ivan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.