terça-feira , dezembro 6 2016
Home / Justiça / Luto na imprensa: morre o cinegrafista da “TV Bandeirantes” Santiago ferido em manifestação no Rio de Janeiro

Luto na imprensa: morre o cinegrafista da “TV Bandeirantes” Santiago ferido em manifestação no Rio de Janeiro

Cinegrafista da Band é ferido por explosivo na cabeça, durante ato na Central do Brasil, no centro do Rio 
O cinegrafista da “TV Bandeirantes” Santiago Ilídio Andrade, 49, ferido em uma explosão durante uma manifestação no Rio de Janeiro, teve morte encefálica diagnosticada na manhã desta segunda-feira (10), segundo a Secretaria Municipal de Saúde. Santiago foi atingido na cabeça quando registrava o protesto, na quinta-feira (6).
No mesmo dia em que foi ferido, Andrade passou por uma neurocirurgia para estancar o sangramento e estabilizar a pressão intracraniana. Além do afundamento de crânio, ele perdeu parte da orelha esquerda.
Em entrevista à “TV Globo”, a mulher do cinegrafista, Arlita Andrade, diz que não consegue perdoar os responsáveis pela morte. “Perdoar? Meu marido está indo embora, eles destruíram uma família. Uma família que era unida, muito unida mesmo”, afirmou.
A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu no domingo o estudante universitário e tatuador Fábio Raposo, indiciado como coautor da explosão que matou o cinegrafista. Segundo informações da Polícia Civil, Raposo foi localizado na casa dos pais, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio.

Governo do Estado

O governo do Estado do Rio divulgou nota, nesta segunda, em que “lamenta profundamente a morte do cinegrafista Santiago Andrade, que perdeu a vida no exercício profissional do jornalismo”.
“A liberdade de imprensa é um bem que deve prevalecer como instrumento para o exercício do direito fundamental à informação”, diz a nota.
O texto informa ainda que “o direito de manifestação é fundamental para a democracia, mas a violência é inaceitável. O diálogo entre cidadãos e Poder Público é o caminho para o aprimoramento da sociedade”.
“O Estado se solidariza com a família de Santiago. E busca, observando o devido processo legal, a autoria do crime para que o responsável possa ser submetido à Justiça”, informou a nota.

Pela explosão que feriu gravemente o profissional da “Band”, Raposo foi indiciado por homicídio qualificado pelo uso de artefato explosivo e pelo crime de explosão. Se condenado, ele pode receber uma pena de mais de 30 anos de prisão.
O delegado Maurício Luciano, titular da 17ª DP (São Cristóvão) e responsável pela investigação, informou que Raposo aceitou colaborar com a polícia em benefício da delação premiada. Arlita disse que tem recebido informações sobre a investigação da polícia.
“Eu vi [Raposo] pedindo desculpa, mas eu acho que o que falta neles é o amor, o amor pelas pessoas, porque a gente não faz isso. Ele disse que foi sem intenção. Que seja, mas meu marido estava trabalhando, estava mostrando uma manifestação”, afirmou a mulher do cinegrafista.
O advogado do estudante afirmou que já identificou o nome da pessoa que atirou o rojão e que deve entregá-lo à polícia. “Através do Fábio localizei uma pessoa que é íntima deste rapaz e me passou a identidade e o CPF deste rapaz. A pessoa me passou e vou entregá-lo à autoridade policial”, afirmou o advogado Jonas Tadeu Nunes em entrevista à “Globonews”.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.