sábado , dezembro 10 2016
Home / Mundo / Papa denuncia discriminação e violência conta cristãos

Papa denuncia discriminação e violência conta cristãos

O papa Francisco acena durante sua oração de Angelus na Praça de São Pedro, no Vaticano. O papa denunciou nesta quinta-feira a discriminação contra cristãos, inclusive em países onde a liberdade religiosa é, teoricamente, garantida por lei.

Papa denuncia discriminação e violência conta cristãos

CIDADE DO VATICANO, 26 Dez (Reuters) – O papa Francisco denunciou nesta quinta-feira a discriminação contra cristãos, inclusive em países onde a liberdade religiosa é, teoricamente, garantida por lei.

O pontífice realizou a tradicional oração de meio-dia e discursou para milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro no dia em que a Igreja Católica celebra Santo Estêvão, o primeiro mártir do cristianismo.

O papa argentino, de 77 anos, pediu à multidão um minuto de oração silenciosa pelos "cristão que são injustamente acusados e alvo de todo tipo de violência".

Francisco, que celebra o Natal pela primeira vez como papa, disse que "limitações e discriminações" contra os cristãos acontecem não apenas em países que não garantem a liberdade religiosa completa, mas também em lugares onde "no papel, a liberdade e os direitos humanos são protegidos".

"Essa injustiça precisa ser denunciada e eliminada", afirmou.

Francisco não especificou nenhum país, mas o Vaticano há bastante tempo pede que a Arábia Saudita, onde ficam os lugares mais sagrados do islamismo, suspenda as restrições a orações de cristãos em público.

Diversos incidentes de intolerância religiosa aconteceram em 2013 em países com minoria cristã como Egito, Indonésia, Iraque, Sudão, Nigéria e outros lugares onde os direitos são protegidos por lei.

Francisco, saindo do discurso preparado, disse ter certeza que os cristãos que sofrem com discriminação e violência "são mais numerosos hoje do que nos primeiros dias da Igreja".

No passado, o Vaticano já manifestou preocupação com o que o ex-papa Bento 16 descreveu como as "formas sofisticadas de hostilidade" contra os cristão em países ricos, como restringir o uso de símbolos religiosos em locais públicos.

REUTERS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.