quinta-feira , dezembro 8 2016
Home / Mundo / Poliandria: Dois homens assinam contrato para viver com a mesma mulher no Quênia

Poliandria: Dois homens assinam contrato para viver com a mesma mulher no Quênia

Poliandria: Dois homens assinam contrato para viver com a mesma mulher no Quênia

No Quênia, dois homens assinaram um acordo para compartilhar a mesma mulher, um tipo de união incomum neste país do Leste Africano, informou o jornal local "Daily Nation".

Embora a poligamia, um homem casado com várias mulheres seja legal no Quênia e é difundida entre algumas comunidades, não há nenhum caso conhecido de poliandria, uma mulher com mais de um marido neste país.

Os dois "maridos" O contrato assinado incomum na cidade de Kisimani, Mombasa County (costa sul do Quênia), depois de descobrir que ambos haviam tido um caso com ela por mais de quatro anos.

Os pais da mulher deram permissão para os seus dois pretendentes viver com ela e "pagar o preço da noiva" quando podiam.

Posteriormente, os participantes assistiram à delegacia de polícia local com o acordo escrito, que também afirma que os filhos vão cuidar de sua esposa para dar a luz e dividir as despesas da casa.

"Fiquei surpreso ao ver dois homens brigando por uma mulher que disse que ela era uma viúva e mãe de gêmeos. Tentei resolver o problema, mas eles se recusaram, insistindo que nenhum deles poderia viver sem as mulher ", disse a polícia local Adhalah Abdulrahman.

Quando o policial perguntou a mulher a escolher um de seus dois amantes, ela também se recusou a optar pois não poderia viver sem nenhum deles.

Esta confissão levou os pretendentes, Sylvester Mwendwa e Elias Kimani, se revezarem para viver com sua amada, cujo nome não foi divulgado, de acordo com o jornal queniano.

Em qualquer caso, os homens devem provar que a poliandria é parte de sua união aduaneira, caso contrário não é válido, de acordo com advogados consultados pelo jornal.

Poliandria é mais "anormal ilegal" porque as leis de casamento do Quênia não proíbem explicitamente, disse Judy Thongori advogado especializado em assuntos familiares.

"Para tal união seja reconhecida no Quênia terá que estar de acordo com estatutária ou assumir a forma de casamento costumeiro. A pergunta que devemos fazer agora é se essas pessoas vêm de comunidades que praticavam a poliandria ", acrescentou o advogado.

O presidente da Ordem dos Advogados do Quénia, Eric Mutua, reforçou a necessidade de que os homens mostram que a poliandria tem sido parte de seus costumes, embora até o momento não há nenhum caso conhecido.

Segundo Mutua, a Constituição do Quênia, reconhece "o direito de uma pessoa, e não as pessoas, para se casar com uma pessoa do sexo oposto, com base no livre consentimento."

A Constituição permite, no entanto, que o casamento é reconhecido como parte de um conjunto de tradições, práticas religiosas ou regras familiares e não violem a a lei.

Por Léo Medeiros do RN em Rede

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.