sábado , dezembro 10 2016
Home / Mundo / Omayra Sanchez, jovem colombiana sofre 60 horas e morre em frente às câmeras de TV; veja vídeo

Omayra Sanchez, jovem colombiana sofre 60 horas e morre em frente às câmeras de TV; veja vídeo

A Colômbia passou por um grande desastre natural em novembro de 1985. O vulcão Nevado del Ruíz entrou em erupção causando uma enorme tragédia. Quando o alerta para evacuação imediata foi dado pelo governo, não houve tempo hábil para que todos fugissem sem contar que muitos não acreditaram na extensão do problema. Cerca de 25 mil pessoas morreram e milhares ficaram feridas. A cidade de Amero com uma média de 50 mil habitantes sumiu do mapa!

Aliado a isso, a Colômbia passava por um conturbado momento político, incluindo a tomada do Palácio da Justiça, o que fez com que o exército estivesse concentrado na capital. Quando a tragédia ocorreu, não foi possível ajudar as cidades impactadas. O governo desestabilizado não pode montar equipes de resgate e monitoramento. 
Nesse contexto, o fotógrafo Frank Fournier chegou diretamente de Nova York para entender o que se passava naquele país. Segundo ele tudo estava muito confuso, pessoas desesperadas pelas ruas e muitas ainda estavam presas entre destroços. 
Foi nesse momento que um fazendeiro o levou até Omayra Sanchez, uma menina de 13 anos que estava com metade do corpo submerso, preso no entulho do local que antes era sua casa e agora também abrigava os corpos de seus pais. Omayra já estava a três dias submersa e lutando pela vida. Assim como ela, na área ao redor tinham muitas outras pessoas em situação parecida.
Era quase impossível vislumbrar um desfecho que não fosse o mais trágico. Muitos gritos, pessoas tentando ajudar no resgate mas não era o suficiente pois havia o risco de parti-la ao meio.
Omayra estava presa de tal modo que as pessoas não conseguiam ajudá-la, era preciso uma bomba específica para retirar água, além de outros equipamentos que não estavam presentes no local.
Quando Frank Fournier já haviam outros profissionais da imprensa por lá, junto com a Cruz Vermelha. Ela já estava submersa a mais de 60 horas e percebeu o que as pessoas ali já sabiam: Não poderíam salvá-la mas sim permanecer com ela, confortando-a nos seus últimos momentos.
Os jornalistas transmitiram essas poucas horas de Omayra para todo o mundo; Frank enviou no mesmo dia as suas fotos para Paris e tempo depois ganhou muitos prêmios com ela. Com a história de Omayra, o mundo iniciou um debate a respeito da ética jornalística e se os se os profissionais alí presentses não eram nada além de abutres. 
Eles afirmaram que ao chegaram a situação já era irreversível. Todos fizeram pedidos ao governo para enviar uma equipe especializada com o aparato necessário mas o despreparo era muito grande e não havia plano ou coordenação para efetuar os resgates. 
Segundo Fournier“Há centenas de milhares de Omayras pelo mundo – histórias importantes sobre os pobres e os fracos –, e nós, fotojornalistas, estamos lá para criar a ponte.” Veja o vídeo com a última mensagem de Omayra.

Via Netina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.