terça-feira , dezembro 6 2016
Home / Polícia / Doze policiais foram assassinados em 2013 no Ceará, três últimos 10 dias

Doze policiais foram assassinados em 2013 no Ceará, três últimos 10 dias

Somente nos últimos 10 dias, três policiais foram mortos em supostas tentativas de assalto. O caso mais recente foi o do sargento Abraão Coelho, assassinado no bairro Jardim Guanabara

Somente este ano, foram registrados 12 homicídios contra policiais no Ceará. Três das vítimas foram mortas nos últimos 10 dias, durante supostas tentativas de assalto. No ano passado, foram 17 mortes. Os dados são da Associação de Praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar do Ceará (Aspramece).

O último homicídio foi registrado esta semana, na noite da segunda-feira, no bairro Jardim Guanabara. O sargento da Polícia Militar (PM) Abraão Coelho de Morais, de 57 anos, foi alvejado com três tiros, durante um possível latrocínio.

De acordo com o supervisor do policiamento da Capital, major Dulcildo Bezerra, o homicídio ocorreu por volta das 21h50min, em frente à residência da vítima, localizada na rua Guilherme Mendes. O sargento estava numa motocicleta quando foi surpreendido por dois homens armados, que chegaram ao local realizando vários disparos. Dois tiros atingiram Coelho no tórax.

Após balearem o policial, os suspeitos fugiram levando a quantia de R$ 6 mil que a vítima havia sacado minutos antes, em uma agência bancária. Uma pistola da marca Taurus, de calibre ponto 40, também foi levada. O sargento foi encaminhado ao Frotinha do Antônio Bezerra, mas não resistiu aos ferimentos e morreu ao dar entrada no hospital.
Acusados presos

Na tarde de ontem, no barro Jardim Iracema, policiais do Ronda de Ações Intensivas e Ostensivas (Raio) prenderam dois homens apontados como autores do crime. De acordo com informações do major Márcio Oliveira, comandante do Raio, José Carlos de Lima Martins, 43, e Marcos Bruno Saldanha Marques, 20, foram detidos com um revólver calibre 38 e um Corsa de cor preta, usados no latrocínio. Outro acusado, Bruno Oliveira Santos, 20, foi baleado na troca de tiros com o PM e está internado no Instituto Doutor José Frota (IJF), sob escolta policial.

O sargento Coelho trabalhou durante 32 anos na Polícia Militar e deixou esposa e duas filhas. O corpo do policial foi velado na Paróquia Nossa Senhora dos Navegantes, no Jardim Guanabara. Ele foi enterrado no Cemitério São João Batista, no Centro. (colaborou Lusiana Freire)

Mortes de PMs em 2013

12/1 – O sargento Francisco Luís Granjeiro foi morto em troca de tiros no bairro Conjunto Palmeiras.

7/2 – O cabo Francisco de Assis Mendes foi morto no Meireles.

7/3 – O soldado Jocione dos Santos, 32, estava dentro de uma Hilux da Secretaria da Fazenda e morreu durante uma perseguição, em Tianguá.

18/3 – O subtenente Josafá Gomes de Vasconcelos foi executado a tiros no Bela Vista.

16/4 – O cabo Antônio de Pádua Albuquerque, 45, foi morto em tentativa de assalto no Conjunto José Walter.-

4/6 – O cabo Francisco de Assis de Paula, 41, foi morto após reagir a assalto em Caucaia.

15/6 – O sargento José Zilmar Batista de Albuquerque, 50, foi executado com sete tiros, no bairro Bom Jardim.

17/6 – O soldado Pedro Luiz Jucá foi atropelado por bandidos em fuga, no Centro.

29/6 – O soldado Isaías Pinto do Nascimento, 30, foi morto em troca de tiros durante assalto, no município de Irauçuba.

5/7 – O policial rodoviário federal Alcinoo Bernardino Sousa, 52, foi assassinado ao reagir a um assalto, no Joaquim Távora.

10/7 – O soldado Carlos Eduardo de Lima Alves, 38, foi morto com um tiro na cabeça, em Messejana.

15/7 – O sargento da reserva da PM Abraão Coelho de Morais, 57, foi vítima de um latrocínio, no bairro Jardim Guanabara.

Saiba mais

Além dos assassinatos ocorridos no Ceará, a PM cearense também perdeu o soldado Jaelson Júnior de Andrade Bento, 23, morto no dia 2 de abril, em Serra Talhada, Pernambuco. Ele tentou evitar assalto em ônibus e foi morto na troca de tiros. Jaelson era lotado no Ronda do Quarteirão de Juazeiro do Norte.

A Aspremece condenou o elevado número de mortes de policiais no Estado. A entidade classificou as estatísticas como um “reflexo da violência urbana” e disse esperar providências por parte das autoridades.

Do POVO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.