domingo , dezembro 11 2016
Home / Nacional / Marcha das ‘Vadias’ protestam no DF contra a cura gay

Marcha das ‘Vadias’ protestam no DF contra a cura gay

Terceira edição da Marcha das Vadias reuniu 3 mil, segundo dados da PM.
Grupo é formado também homossexuais, que questionam a ‘cura gay’.

Casal protesta contra o machismo durante Marcha das Vadias (Foto: Priscilla Mendes / G1)Casal protesta contra o machismo durante
Marcha das Vadias (Foto: Priscilla Mendes / G1)

A Marcha das Vadias protesta neste sábado (22) pelas ruas de Brasília contra o machismo e contra dois projetos recentemente aprovados por comissões da Câmara dos Deputados: a chamada "cura gay", que autoriza psicólogos a proporem tratamento contra a homossexualidade, e oEstatuto do Nascituro, proposta que prevê uma bolsa de assistência para mães que não abortarem filhos concebidos em estupros, apelidada de "Bolsa Estupro".

A marcha acontece pelo terceiro ano consecutivo. Neste ano, a concentração ocorreu em frente à Rodoviária do Plano Piloto. As cerca de três mil pessoas presentes, segundo estimativas do 1º Batalhão da Polícia Militar, caminharam pelo centro de Brasília. No trajeto, gritavam frases como "Vem pra rua contra o machismo".

A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) estava no grupo e criticou o que chamou de "Bolsa Estupro". Segundo ela, trata-se de uma proposta que fere os direitos da mulher. "Dá mais direito para um amontoado de células do que à própria mulher."

Portadora de problemas auditivos, Helenne Sanderson participou do protesto e se disse "surda e vadia". Ela protestou por menos violência e contra a falta de respeito dos homens.

Helenne Sanderson protesta contra violência que, segundo ela, atinge mais as mulheres surdas (Foto: Rafaela Céo / G1)Helenne Sanderson protesta contra violência que, segundo ela, atinge mais as mulheres surdas (Foto: Rafaela Céo / G1)

Casal caminha na Marcha das Vadias (Foto: Rafaela Céo / G1)Casal caminha na Marcha das Vadias (Foto: Rafaela Céo / G1)

A professora Yvone Lira, que também integrou o grupo, destacou que "ser vadia é ser livre". "Estou protestando para a mulher ter o direito de ser o que quiser, da forma que quiser."

Durante o protesto, um fotógrafo e outros dois homens foram expulsos da marcha. Ele disse algo que contrariou as manifestantes, chegou a pedir desculpas, mas acabou expulso. Outros dois homens que acompanhavam a marcha saíram debaixo de buzinas e gritos de guerra. As manifestantes se recusaram a explicar o motivo da expulsão.

Policial acompanha homem expulso da Marcha das Vadias em Brasília (Foto: Rafaela Céo/G1)Policial acompanha homem expulso da Marcha das Vadias em Brasília (Foto: Rafaela Céo/G1)

Deputado Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, também foi alvo dos protestos (Foto: Rafaela Céo / G1)Deputado Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, também foi alvo dos protestos (Foto: Rafaela Céo / G1)

Homossexuais também protestaram na Marcha das Vadias (Foto: Rafaela Céo / G1)Homossexuais também protestaram na Marcha das Vadias (Foto: Rafaela Céo / G1)

Mulheres criticam projetos recentemente aprovados na Câmara: o que autoriza a cura gay e o que prevê benefício a quem não abortar filho fruto de estupro (Foto: Rafaela Céo / G1)Mulheres criticam projetos recentemente aprovados na Câmara: o que autoriza a cura gay e o que prevê benefício a quem não abortar filho fruto de estupro (Foto: Rafaela Céo / G1)

Grupo se concentrou em frente à Rodoviária do Plano Piloto, em Brasília (Foto: Rafaela Céo / G1)Grupo se concentrou em frente à Rodoviária do Plano Piloto, em Brasília (Foto: Rafaela Céo / G1)

Mulher pede respeito e critica machismo em passeata (Foto: Rafaela Céo / G1)Mulher pede respeito e critica machismo em passeata (Foto: Rafaela Céo / G1)

Mulher protesta com blusa transparente (Foto: Rafaela Céo / G1)Mulher protesta com blusa transparente (Foto: Rafaela Céo / G1)

Casal durante passeata em Brasília (Foto: Rafaela Céo / G1)Casal durante passeata em Brasília (Foto: Rafaela Céo / G1)

Do G1 DF

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.