domingo , dezembro 4 2016
Home / RN / Januário Cicco, maior maternidade pública do RN suspende partos por falta de pediatras

Januário Cicco, maior maternidade pública do RN suspende partos por falta de pediatras

Suspensão do atendimento será mantida durante esta quarta-feira (26).
Problema na escala é causado por superlotação, diz diretora.

Maternidade Januário Cicco passará toda esta quarta (26) sem fazer partos (Foto: Igor Jácome/G1)Maternidade Januário Cicco passará toda esta quarta (26) sem fazer partos (Foto: Igor Jácome/G1)

A maternidade escola Januário Cicco, localizada em Natal, vai passar esta quarta-feira (26) sem realizar partos por falta de pediatras para atuar no centro cirúrgico obstétrico. A informação foi confirmada pela diretora médica da unidade, Maria da Guia Medeiros. “Hoje a maternidade escola Januário Cicco infelizmente está fechando as suas portas para receber pacientes em trabalho de parto, ou trabalho de parto normal ou cesárea. Nós não temos pediatras para cobrir nem a sala de parto, nem o centro cirúrgico obstétrico”, disse.

Assista ao lado a matéria exibida no Bom Dia RN desta quarta-feira (26).

De acordo com a diretora médica, 12 pediatras da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e outros 13 contratados pela Fundação Norte-Rio-Grandense de Pesquisa e Cultura (Funpec) atuam na maternidade, mas não têm dado conta de tantos plantões. A unidade tem capacidade para realizar 500 partos por mês, mas cerca de 800 têm sido realizados no mesmo período.

A direção da maternidade explica que os problemas na Januário Cicco viraram uma bola de neve que começou com a superlotação. A maioria das pacientes vêm do interior, o que gera superlotação e excesso de trabalho para os profissionais que acabam se afastando da unidade.

“Cada dia está ficando mais difícil trabalhar nessa unidade. De todos os lugares que eu trabalho aqui está sendo o mais difícil. Devido às condições de trabalho, a sobrecarga de pacientes, a gente está realmente muito cansado, estressado, e profissionais estão deixando a escala por falta de condições de resolução mesmo”, disse o médico Jacques Fiuza.

Do G1 RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.