domingo , dezembro 4 2016
Home / Nacional / Bolsa Família: garantia de renda, dignidade e permanência no Semiárido

Bolsa Família: garantia de renda, dignidade e permanência no Semiárido

Programa leva segurança alimentar à região, diz pesquisador da Embrapa. Além disso, reduz incidência de doenças entre a população e evita ondas de migração

O Programa Bolsa Família reduz os impactos da estiagem no Nordeste e no Semiárido, que inclui o norte de Minas Gerais. É o que aponta o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Evaristo de Miranda. Ele passou oito anos trabalhando como pesquisador no sertão nordestino e viveu de perto a dura realidade dos períodos de seca. Segundo Miranda, uma combinação virtuosa de diversas ações sociais está contribuindo para mudar significativamente as adversidades na região. “Obtivemos resultados inéditos na proteção dos mais pobres frente aos impactos da estiagem, em grande parte por causa do Bolsa Família.”

Considerada a pior dos últimos 30 anos, de acordo com o pesquisador, a seca que atinge o Nordeste desde o ano passado não provoca mais na população o impacto de alguns anos atrás. “Não vemos flagelados migrando pelas estradas, invadindo vilarejos, saqueando armazéns da Conab [Companhia Nacional de Abastecimento]. Não vemos porque ocorreu uma coisa extraordinária no país, que é o Bolsa Família.”

Segundo Evaristo de Miranda, o programa de transferência de renda, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), é responsável por este novo quadro. “Há alguns anos, o programa vem garantindo renda para produtores e famílias pobres. Neste período duro de seca, eles continuam comprando alimentos nos supermercados e vivendo suas vidas.”

De 2001 a 2011, a renda no Nordeste cresceu 73%, enquanto no Sudeste a taxa foi de 46%. O aumento da renda e da segurança alimentar no Semiárido nordestino é um fato novo. “A cesta básica hoje custa metade do que custava em 1975, ou seja, com o mesmo dinheiro você compra mais comida. Com o Bolsa Família, houve aumento da capacidade de compra, gerando ganhos significativos para a região. Com isso, a população está se alimentando mais e melhor, além de passar a adquirir bens”, assinala o pesquisador.

Migração – O Bolsa Família também contribui para evitar ondas de migração, ressalta o pesquisador. Aliado ao Programa Água para Todos, que possibilita acesso à água de qualidade durante o período de seca, o Bolsa Família é essencial para fazer com que as pessoas fiquem em suas terras. “Em lugares onde não se produzia quase nada, os produtores estavam abandonando e saindo em busca de outras oportunidades. Com o Bolsa Família e outra frente, que é o Programa das Cisternas, houve uma redução significativa desse processo migratório.”

De acordo com Miranda, a garantia de renda mínima e de água potável para essas pessoas contribui ainda mais para reduzir a incidência de enfermidades e aumentar as condições de segurança alimentar e nutricional na região. “Com esses dois sistemas, atingimos mais ou menos a metade desses agricultores.”

Sem o Bolsa Família, implantado em 2003, a situação do Semiárido provavelmente seria a mesma dos anos 1990, diz o pesquisador. “Estaríamos revivendo um número maior de migração do campo para cidade, o que representaria o abandono da terra e certa humilhação para esse povo”.

Miranda também destaca que sem o programa a taxa de natalidade poderia ser maior no país. “A redução da natalidade e da mortalidade infantil vem naturalmente quando se melhora as condições de vida das pessoas. E é isso que o Bolsa Família faz.”

Fonte: MDS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.