sábado , dezembro 3 2016
Home / RN / Revolta do Busão: Novo protesto está marcado para esta quinta

Revolta do Busão: Novo protesto está marcado para esta quinta

Um novo protesto do movimento #RevoltadoBusão está confirmado para a tarde desta quinta-feira (16) em Natal. O presidente da União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas (UMES), Wanderley Costa, explicou que a concentração ocorrerá no viaduto do Baldo, bairro de Cidade Alta, zona Leste da capital potiguar. Os manifestantes, que são contra o aumento da passagem de ônibus na capital, seguirão pela avenida Deodoro da Fonseca em direção à Prefeitura de Natal para uma nova concentração. O prefeito de Natal, Carlos Eduardo, informou que não se pronunciará sobre os protestos.

O movimento #RevoltadoBusão foi às ruas nesta quarta (15) para protestar contra oaumento da passagem de ônibus de R$ 2,20 para R$ 2,40. O reajuste da tarifa foi anunciado na semana passada pela Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob) e passa a valer a partir deste sábado (18).
Ao longo do protesto, houve confronto entre policiais militares e manifestantes. De um lado, os integrantes do movimento acusam a PM de iniciar o tumulto e usar força desproporcional contra as pessoas. Já os policiais, informaram que a confusão começou após pedradas vindas do local onde estavam os manifestantes.

Protesto do movimento Revolta do Busão (Foto: Felipe Gibson/G1)Estudante do curso de História foi atingido por bala
de borracha da PM (Foto: Felipe Gibson/G1)

Para o presidente da UMES, Wanderley Costa, houve excesso por parte dos policiais. "A manifestação vinha pacífica até que a polícia se excedeu e começou a disparar", afirma. O estudante reconhece que alguns manifestantes também passaram do limite, mas algo que não jutificou a ação policial. "Entendemos que houve excesso de alguns, a maioria de movimentos anárquicos, mas não justificava o excesso da polícia", explica o presidente da UMES.
Wanderley Costa acredita que cabia aos policiais a identificação e punição das pessoas dentro do movimento que cometeram excessos. "Se eles identificaram, que tivessem direcionado a força a eles. Da forma como foi feito, infelizmente tivemos estudantes e trabalhadores feridos", ressalta.

Do G1RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.