domingo , dezembro 4 2016
Home / Mundo / Pena de morte para 21 torcedores gera revolta no Egito; Torcedores incendeiam clube policial após julgamento

Pena de morte para 21 torcedores gera revolta no Egito; Torcedores incendeiam clube policial após julgamento

Sede da Federação de Futebol do Egito em chamas. (Foto: Reuters)
Torcedores do time de futebol cairota Al Ahly atacaram e incendiaram neste sábado o Clube de Oficiais da Polícia e a sede da Federação Egípcia de Futebol, em protesto contra a sentença emitida hoje pelo massacre do estádio de Port Said, informaram à Agência Efe fontes da segurança.
Segundo a televisão estatal, milhares de radicais da torcida, conhecido como "Ultras Ahlawy, invadiram o Clube da Polícia e atearam fogo em algumas dependências.

Os bombeiros ainda estão tentando controlar o incêndio, segundo a agência estatal "Mena".

Além disso, alguns torcedores invadiram a Federação Egípcia de Futebol, que está localizada próxima à sede do Al Ahly, e, após saqueá-la, também incendiaram o local.

Centenas de torcedores da equipe cairota que se dirigiam através das pontes sobre o Nilo rumo ao centro da cidade, onde ficam a praça Tahrir e o Ministério do Interior, deram meia volta e retornam neste momento à sede do clube.

Em fevereiro de 2012, 72 pessoas, a maioria delas torcedores do Al Ahly, morreram no estádio de Port Said em confronto conra a torcida do time local, Al Masry.

Um tribunal penal egípcio condenou neste sábado à prisão perpétua quatro acusados pelo massacre no estádio e confirmou as penas de morte emitidas em janeiro contra outros 21 acusados.

A corte, presidida pelo juiz Sobhi Abdelmeguid, ordenou que os condenados sejam enforcados pelos delitos de "assassinato e tentativa de assassinato" em Port Said.

As penas de morte já haviam sido pronunciadas em 26 de janeiro e enviadas ao mufti – máxima autoridade religiosa do Egito – para que ele emitisse sua sentença, embora ainda restasse a confirmação da Justiça.

Além disso, a corte decretou hoje penas de prisão com prazos de um e 15 anos para o restante dos acusados, ao mesmo tempo em que absolveu outras 28 pessoas.

Entre os condenados a 15 anos de prisão estão duas antigas autoridades policiais de Port Said, enquanto outros sete membros da Polícia foram absolvidos.

EFE/ Yahoo Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.