sábado , dezembro 10 2016
Home / Nacional / Moradores fecham vias públicas para tentar conter a violência em Maceió

Moradores fecham vias públicas para tentar conter a violência em Maceió

Guaritas com seguranças são instaladas em ruas da periferia e da área nobre. Medida tem esbarrado em questões legais e contrariado alguns moradores.

ruas fechadas (Foto: Fabiana De Mutiis/G1)Moradores apostam em portões, guarita e vigilante como medida de segurança (Foto: Fabiana De Mutiis/G1)

Na entrada da rua, um portão impede o acesso de pessoas e veículos. Na grade, uma placa avisa “Visitante, acenda a luz do veículo e se identifique”. Além de uma guarita, homens contratados de empresas de segurança ficam responsáveis por abrir o portão e controlar quem entra ou sai. A descrição acima pode parecer até a entrada de um condomínio, mas se trata de ruas que foram fechadas pelos próprios moradores.
Em Maceió, a cada dia cresce a quantidade de ruas com essas características em bairros da periferia e área nobre. A medida, segundo os moradores, é a única forma de conter a violência urbana. Mas esse modelo que restringi o acesso de pessoas em vias que até então eram públicas, tem esbarrado em questões legais e contrariado alguns moradores.

Além do portão de acesso e da segurança, os moradores também contam com a limpeza e serviços de manutenção. Mas isso exige um custo mensal e a necessidade de pessoas que se responsabilizem por controlar os pagamentos e os serviços. Surgem às associações que, em alguns locais, contratam empresas terceirizadas para tomar conta da novas vilas que se formam nos bairros.
Moradora do conjunto Colina dos Eucaliptos, no bairro Santa Amélia, a estudante Lilás Coentro Montaldo disse que desde que a rua onde mora foi fechada, há cinco anos, está vivendo com mais tranquilidade. Ela contou que a decisão de colocar portão e uma guarita veio após inúmeros assaltos que os moradores vinham sendo vítimas. “Tudo foi feito como um acordo. Compramos o portão eletrônico e foi estipulada uma quantia mensal para pagar os seguranças que se revezam na guarita”, falou.

A estudante relata que, antes do fechamento da rua. sua casa já havia sido alvo de assaltantes. “Além da rua que moro, outras quatro também fecharam. Hoje, podemos chegar de carro e não nos preocupar em abrir o portão de casa. No final da tarde, os moradores sentam na porta e as crianças brincam tranquilamente”, expôs. CONTINUE LENDO

Do G1 AL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.