sábado , dezembro 10 2016
Home / Nacional / Em nota, Dilma diz que Chávez será uma referência eterna para a América Latina

Em nota, Dilma diz que Chávez será uma referência eterna para a América Latina

Brasília – Após lamentar a morte do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e dizer que a perda do líder venezuelano deixará um vazio na história e no coração da América Latina, a presidenta Dilma Rousseff reiterou o pesar em uma nota publicada no blog do Palácio do Planalto.

No texto, Dilma diz que as mudanças pelas quais a Venezuela passou nos últimos anos fizeram de Chávez uma referência não só para o país, mas para a América Latina. “As transformações econômicas, sociais e políticas que Chávez conduziu, nos últimos 14 anos, na Venezuela, fizeram desse grande líder a mais importante referência da história daquele país e o projetaram em toda a América Latina e o Caribe”.

A presidenta também destaca a contribuição de Chávez para o fortalecimento das relações multilaterais na região e diz que o venezuelano foi o responsável pela criação da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

Na nota, Dilma também reforçou o elogio à generosidade do presidente venezuelano e destacou a amizade entre os governos do Brasil e da Venezuela durante a gestão Chávez.

“O governo e o povo brasileiros perdem um grande amigo, cuja coragem, generosidade e calor humano irmanaram a Venezuela e o Brasil como nunca antes em nossas histórias. Hugo Chávez viverá na memória de venezuelanos, brasileiros e latino-americanos e será uma eterna referência para toda a América Latina”, diz o texto.

Chávez morreu hoje (5) em Caracas, aos 58 anos, vítima de complicações de um câncer na região pélvica. Em dezembro do ano passado, ele foi submetido a uma cirurgia em Havana. O anúncio da morte foi feito pelo vice-presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão. Em outubro do ano passado, Chávez foi eleito para o quarto mandato consecutivo. Ele ficaria no poder até 2019.

Por causa da morte de Chávez, Dilma cancelou a viagem que faria à Argentina na próxima quinta-feira (7) e deverá comparecer ao velório do venezuelano. O governo da Venezuela ainda não divulgou detalhes sobre as últimas homenagens e o enterro de Chávez.

Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.