quarta-feira , dezembro 7 2016
Home / Saúde / Saúde: Teste do Pezinho amplia exame em mais seis estados e tem capacidade de indicar se bebê tem fibrose cística.

Saúde: Teste do Pezinho amplia exame em mais seis estados e tem capacidade de indicar se bebê tem fibrose cística.

Teste vai indicar, também, se a criança possui fibrose cística, doença que afeta todo o organismo causando deficiências progressivas
Divulgação / Prefeitura de Olinda Recomenda-se realizar o teste imediatamente entre o 3º e o 7º dia de vida do bebê
Recomenda-se realizar o teste imediatamente entre o 3º e o 7º dia de vida do bebê
Mais seis estados brasileiros se encontram habilitados para diagnosticar mais uma doença em crianças. Com a ampliação do Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN), o Teste do Pezinho vai indicar, também, se a criança possui fibrose cística, doença hereditária comum, que afeta todo o organismo causando deficiências progressivas, levando à morte prematura. Os estados que estão na fase III do programa e poderão realizar o exame são Distrito Federal, Ceará, Bahia, Mato Grosso, Pará e Mato Grosso do Sul.
Além da fibrose cística, estes estados continuam diagnosticando o hipotireoidismo congênito, a fenilcetonúria e a anemia falciforme, já incluídas no Teste do Pezinho.
Com o intuito de expandir e qualificar os serviços nos estados e incluir, gradativamente, a ampliação do acesso aos exames incluídos no programa neonatal, o Ministério da Saúde vai dobrar o investimento na área. Atualmente, R$ 52 milhões são destinados aos gestores estaduais, a partir de 2013 esse valor passará para R$ 120 milhões.
O Brasil alcançou, pelo SUS em 2011, 83% de cobertura das crianças que nasceram no ano passado (2.861.868 de recém-nascidos). Em 2000, o índice de cobertura nacional, no SUS, era de 56%. O programa abrange, além da realização dos exames e detecção precoce de doenças, o acompanhamento e o tratamento dos pacientes.
Outra novidade direcionada à saúde de crianças é a inclusão do Palivizumabe, remédio que previne doenças respiratórias em recém-nascidos e crianças de até dois anos. A entrega gratuita deste medicamento pelo Sistema Único de Saúde foi publicada nesta segunda-feira (3) no Diário Oficial da União.
Os Testes do Pezinho são implantados nos estados em três fases, conforme a estruturação dos serviços – capacidade de oferta dos testes de laboratório, contratação de profissionais para o acompanhamento do paciente e a estrutura para o tratamento.
Fases
Atualmente, oito estados encontram-se na Fase I e quatro na Fase II. Até o final do ano, os estados do Maranhão e de Pernambuco – atualmente na Fase II – também integrarão a Fase III. Em apenas um ano, o número de estados habilitados na Fase III passou de nove para 15.
Na fase I do Programa Nacional de Triagem Neonatal, é feita a cobertura das doenças hipotireoidismo congênito e fenilcetonúria. Essas doenças são triadas nos 26 estados e no Distrito Federal. Os estados que se habilitam na Fase II do programa incorporam, além das duas doenças citadas, a anemia falciforme no diagnóstico, tratamento e acompanhamento contínuo.
A anemia falciforme é triada por 19 estados e a cobertura é de 73,41%, sobre o número de nascimentos, em 2011. Já na Fase III, que adiciona a fibrose cística ao rol de procedimentos da triagem neonatal – enfermidade que apresenta uma cobertura 47,93%, sendo triada e acompanhada por 15 estados.
Haverá também a incorporação da Fase IV no Programa Nacional de Triagem Neonatal. Com isso, o PNTN será capaz de detectar, tratar e acompanhar mais duas doenças, passando de quatro para seis. A hiperplasia adrenal congênita e a deficiência da biotinidase passam a integrar o rol de procedimentos da Triagem Neonatal a partir de 2013.
Medicamento para doença respiratória
Divulgação / Prefeitura de Camacari – BA O novo medicamento distribuido pelo SUS é indicado à crianças de até dois anos que sofrem de doenças respiratórias
O novo medicamento distribuido pelo SUS é indicado à crianças de até dois anos que sofrem de doenças respiratórias
O Palivizumabe é um remédio usado na prevenção do vírus sincicial respiratório (VSR) em bebês prematuros e crianças de até 2 anos com doença pulmonar crônica ou doença cardíaca congênita. Agora, este medicamento faz parte da lista de remédios distribuídos pelo SUS.
Por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde a decisão foi publicada e o ministério terá prazo de 180 dias para disponibilizar o remédio no SUS. O vírus sincicial respiratório é um dos principais responsáveis por casos de bronquiolite e pneumonia em crianças de até 2 anos.
Portal Brasil

VEJA TAMBÉM

MDS repassa R$ 144 milhões para compra de alimentos da agricultura familiar

Instituições de ensino começam a responder Censo da Educação Superior 2012

Novela Salve Jorge, resumo do capítulo de quinta, 07 de fevereiro de 2013.

Novela Guerra dos Sexos, resumo do capítulo de quinta, 07 de fevereiro de 2013.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.