sexta-feira , dezembro 2 2016
Home / Saúde / Atenção bebedores: Estudo aponta que cachaças famosas do Brasil têm substância cancerígena

Atenção bebedores: Estudo aponta que cachaças famosas do Brasil têm substância cancerígena

image

Cinco das dez marcas de cachaças e aguardentes avaliadas pela Proteste — Associação de Consumidores, em um estudo realizado no segundo semestre do ano passado e divulgado com exclusividade pelo GLOBO, foram reprovadas por conter uma substância nociva à saúde acima dos níveis aceitáveis. Não passaram no teste as bebidas 7 Campos de Piracicaba, Pedra 90, Ypióca Prata, Pitú e Salinas. São cachaças que ganharam mais notoriedade em 2012, após o reconhecimento da bebida como produto exclusivo e genuinamente brasileiro pelo governo dos EUA

As cinco marcas apresentaram entre 165µg/l (microgramas por litro) e 755µg/l de carbamato de etila, composto químico classificado como possível agente causador de câncer pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Iarc), da Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, o valor aceitável estipulado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) é de até 150µg/l. Mas as empresas têm até 2014 para se adequarem à norma. Segundo a Proteste, o limite é o mesmo aplicado por outros países, como Estados Unidos, Canadá, França, República Tcheca e Alemanha. No entanto, não há um parâmetro internacional neste caso.

O limite para a presença dessa substância em bebidas destiladas foi estabelecido no Brasil em 2005 pela Instrução Normativa nº 13, a partir de uma pesquisa realizada com cachaças produzidas no país. Inicialmente, as empresas ganharam cinco anos para se adequarem. No entanto, desde o fim desse período, em 2010, o prazo já foi prorrogado duas vezes.

Site: Jean Sousa

veja também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.