sexta-feira , dezembro 2 2016
Home / Nacional / Falta de chuva prejudica indústria e serviços no Nordeste

Falta de chuva prejudica indústria e serviços no Nordeste

image

Olhar para o céu e esperar pela chuva. Após um ano de estiagem e muito prejuízo, o simples ritual sertanejo não ficou restrito ao campo. Os efeitos da seca atravessaram a fronteira entre o rural e o urbano. Nas cidades, ela trouxe perdas, afetou o comércio e mexeu com o bolso dos consumidores. Se há um consenso é que a economia do Nordeste e a brasileira não ficou intacta após a estiagem de 2012.

Ainda no ano passado, as perdas na agropecuária logo foram vistas. A “carestia” (alta nos preços) atingia os itens de alimentação componentes da cesta básica. O feijão, o arroz e, quem diria, até a farinha mudaram de preço. A inflação vinda do campo afetou a vida de quem passeia com os carrinhos de compras no supermercado da Capital. No interior, não foi diferente e aqueles municípios mais dependentes da zona rural foram os que mais “penaram”.

A inflação aumentou os gastos das famílias com os alimentos. Em ano de dificuldades, poupar foi a palavra de ordem. Enquanto o poder de compra caía, do outro lado, comerciantes testemunhavam os produtos encalharem nas prateleiras. Com pouco dinheiro circulando pela cidade, fechar o ano com crescimento de faturamento deixou de ser uma previsão para se tornar um desejo.

image

A ameaça de ficarmos sem chuva também assustou os grandes setores produtivos. O País que depende da energia gerada pela força das águas viu os reservatórios das hidrelétricas atingir níveis críticos de armazenamento. Não demorou para que o risco de um novo racionamento voltasse a ser cogitado e para que as usinas termelétricas, usadas apenas em situações emergências, passagem a operar de Norte a Sul do País para evitar um desabastecimento.

No entanto, como manda a tradição, a chegada do período das chuvas renova as esperanças. Não apenas o olhar do sertanejo estará voltado para o horizonte, mas também o do empresário, da dona de casa, do aposentado e de tantos outros que, nas cidades, sentiram e esperam por mudanças.

E agora

ENTENDA A NOTÍCIA

A previsão de chuva, no Ceará, para os meses de fevereiro, março, abril e maio, realizada pelos meteorologistas da Funceme, mostra 45% de probabilidade das precipitações ficarem abaixo da média histórica. As chances de chuvas dentro da média é de 35% e acima da média de apenas 20%

NÚMEROS

25%
são as chances que o Ceará tem de uma quadra chuvosa com níveis acima da média

30%
é a possibilidade de chuvas regulares no Ceará em 2013

45%
são as chances de chover de chover abaixo da média, em 2013, no Ceará segundo a Funceme.

Do Jornal o Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.