domingo , dezembro 4 2016
Home / RN / Morre aos 110 anos o empresário João Paulo de Souza, dono do Armazém Pará

Morre aos 110 anos o empresário João Paulo de Souza, dono do Armazém Pará

Os 110 anos do empresário João Paulo de Souza impressionam tanto quanto a sua história ou o cortejo quilométrico formado em seu velório. De pescador artesanal a dono da rede de lojas Armazém Pará, foram anos de muita areia de praia percorrida.
João Paulo de Souza nasceu em 16 de junho de 1902. Seguiu o ofício do pai e se fez pescador ainda criança. O mar de Muriú era sua segunda casa. Foram décadas de atividades, dias em alto mar. Era o que restava naquelas terras longínquas, no início do século passado.
Sem estradas, com pouquíssimos meios de locomoção restritos aos mais abastados, João Paulo de Souza fazia “o impossível” para vender o produto do seu trabalho: transportava a pé o seus peixes de Muriú até a praia da Redinha. “Ele fazia isso duas a três vezes por semana”, conta o neto do ex-pescador, Júlio Cesar Souza, 55.
Alguns anos depois, João Paulo casou. Foi morar com a mulher na Redinha, e tornar a vida mais fácil. Montou um pequeno ponto de vendas onde hoje funciona o Mercado da Redinha. Poucos anos depois, se mudou para o bairro das Rocas. Foi lá onde se iniciou no comércio mais formal, quando montou uma mercearia na rua São João.
Em 1959, nasceu a Importadora Comercial de Madeiras Ltda, com o nome fantasia de Armazém Pará. A iniciativa foi do comerciante Pedro Câmara de Souza, filho de João Paulo, que se tornaria sócio logo em seguia. A primeira loja do Armazém Pará ficava localizada na Rua Almino Afonso, na Ribeira. Na mesma Ribeira, veio a Casa do Construtor – uma espécie de filial – onde hoje se encontra a Casa da Ribeira, na Frei Miguelinho. Hoje são três grandes lojas e mais uma empresa voltada ao atacado, em Parnamirim.
João Paulo contava nesta época quase 60 anos. O sucesso com o comércio poderia ser uma aposentadoria tranquila para o sexagenário já cansado de tantas batalhas. Mas João Paulo cumpriu expediente normal, diário, até os 93 anos. “Isso porque ele levou uma queda, fraturou o fêmur e passou a ‘apenas’ visitar o Armazém Pará todo dia, mais para supervisionar as atividades”, disse o neto. E entre uma supervisão e outra foram mais 9 anos.
“Até os 102 anos ele compareceu todos os dias ao Armazém Pará. Depois as visitas ficaram mais esporádicas. E nos últimos dois anos deixou de ir porque começaram os problemas de saúde”. O neto Júlio César contou ainda que neste período a família montou uma home care para atendimento 24 horas para o patriarca.
No último domingo (16), João Paulo de Souza, já com a saúde debilitada, foi acometido de uma gripe, que se transformou em pneumonia e agravou o quadro. “Até que ontem (20), ele apagou”, disse o neto.
Júlio César conta que o avô sempre manteve alimentação balanceada, nunca ingeriu bebida alcoólica nem fumou “Só veio beber um copo de refrigerante aos 55 anos, e só essa vez”. E aliado à atividade de pescador quando mais jovem, disse o neto, foram os segredos da longevidade.
O enterro do empresário João Paulo de Souza acontece neste momento no Cemitério Parque da Passagem, em Nova Descoberta, também nesta sexta-feira (21).

Do DN Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.