sábado , dezembro 10 2016
Home / Educação / Veja aqui os cinco lugares do planeta que você precisa conhecer antes que desapareçam

Veja aqui os cinco lugares do planeta que você precisa conhecer antes que desapareçam

Você é do tipo que adora viajar? Gosta de lugares tranquilos para desfrutar o que a natureza ainda pode nos oferecer! Então vamos fazer uma viagem espetacular, por lugares que a Revista Galileu escolheu e apresenta nessa reportagem que o RN em rede pega carona. Amantes da História, Geografia e ciências a fins deve mergulhar de vez nessa matéria e apreciar os cinco lugares que um dia, não muitodistante deixará de existir.

Por motivos variados, você deve correr para uma agência de viagens se quiser conhecer:

Editora Globo
Foto: Nauru/divulgação
1) Nauru
Nauru é a menor república independente do mundo e o único país que não possui uma capital oficialmente. A pequena ilha, localizada no Oceano Pacífico Sul, possui área de 21 km² e pode se tornar completamente inabitável em breve. Isso, porque desde o começo do século 20, Nauru tem sido uma das principais fontes mundiais de fosfato, um composto mineral formado ao longo do tempo a partir do excrementos de aves.
O fosfato é um recurso limitado, extremamente importante para a produção de fertilizantes. A mineração de fosfato fez com que Nauru enriquecesse rapidamente, se tornando o segundo maior PIB per capita do mundo. Mas basear a economia de um país inteiro apenas em esterco não é nada estratégico… 
Em breve o fosfato acabará. Estima-se que as reservas estarão completamente exauridas em 2050, deixando Nauru sem exportação rentável e sem terras decentes e cultiváveis​​, já que a mineração de fosfato torna a terra imprópria para ser cultivada ou habitada. Cerca de quatro quintos da ilha está devastada. Outro problema, é que a paisagem se transformou em ruínas, que coletam tanto calor e ar quente que impede que nuvens de chuva se formem.
Atualmente, Nauru importa quase toda sua comida e água e não parece haver qualquer indústrias pronta para substituir a mineração – já que o fosfato está desaparecendo.  O país vende licenças de pesca, principalmente a Taiwan e Austrália e o índice de desemprego é de 90%.
mar morto11
2) O mar morto Famoso por ser o lugar mais baixo da Terra (aproximadamente 426 m abaixo do nível do mar) e por ser tão salgado que é possível boiar sem esforços sobre ele, o Mar Morto é um lago de água salgada localizado no Oriente Médio. Mas ele pode sumir e deixar apenas um rastro de sal e sujeira. Isso porque o Mar Morto está evaporando em uma velocidade impressionante, perdendo quase 1 m de área por ano.
Para entender o fenômeno, turistas têm visitado o Spa de Ein Gedi. Quando foi inaugurado, há 20 anos, era só sair pela porta de trás do spa para estar a poucos metros da água salgada. Mas o mar recuou tanto, que a distância aumentou para 1,6 km. 
O desaparecimento do Mar Morto também se deve a um problema diplomático. Nas últimas décadas, israelenses, palestinos e jordanianos desviaram água do rio Jordão –  afluente do Mar Morto. Populações crescentes e o aumento agricultura contribuíram para esses desvios. Várias soluções foram propostas, uma delas seria a implementação de um canal que canalizaria a água do Mar Vermelho para o Oriente Médio. O único problema é que esse (e qualquer outro) plano depende de uma relação amigável entre Israel, Palestina, Jordânia – que pode não acontecer tão cedo…
Editora Globo
Foto: Luciana Márquez
3) Cidade do México
A Cidade do México foi construída pelos astecas sobre um antigo lago. Mas no século 16, os colonizadores espanhóis preferiram manter a aparência tradicional da urbanização, então, o lago foi esvaziado e a cidade fiel ao estilo europeu foi construída em seu lugar. Quase imediatamente, eles perceberam que foi uma péssima ideia. Fundações afundundaram no barro mole e deixou edifícios inclinados em ângulos estranhos.
Se fosse só isso, a Cidade do México poderia ser apenas um pouco excêntrica e até mesmo charmosa.  Mas, durante o século 20  a população aumentou e o governo teve de procurar novas fontes de água. Eles acabaram bombeamento grande parte da água para fora do aquífero subterrâneo que alimentava o lago – outra péssima ideia. Com o aquífero vazio, a argila mole acima afundou mais rápido ainda, ficando cada vez mais profunda.
Os espanhóis usaram as pedras de Tenochtitlán para fazer as novas obras e acabaram aterrando o lago para ampliar o território. O aterramento criou um solo instável e frágil. A terra não suporta o peso das construções e vários prédios, igrejas, monumentos e até mesmo as ruas apresentam desnível e rachaduras.
No século passado, a Cidade do México afundou mais de 9 m e a cidade afunda cerca de 20 cm por ano. Para piorar: ainda não há nenhum plano claro para fazer a cidade parar de afundar e ainda fornecer água para mais de 22 milhões de pessoas. Sugerimos que você corra para a fronteira com um câmera e tire algumas fotos enquanto ainda há tempo.
Editora Globo
4) Amish Country Em 20 anos, ainda haverá pessoas Amish, grupo religioso cristão, e ainda haverá o lugar conhecido como “País dos Amish”. Mas ele será muito diferente de suas versão tradicional.
Os Amish, emigraram da Europa para os Estados Unidos no século 18, e desde então vivem da agricultura e mantêm um estilo de vida livre de tecnologia . Eles se isolam do resto da população desde os anos 1970, mas isso pode mudar. Por quê? Por conta do aumento do preço das terras. As famílias amish têm uma média de sete filhos, o que significa que a comunidade tem crescido rapidamente, com menos espaço para expandir.
Como as regiões rurais tornaram-se mais populares, lugares que eram terras há 20 anos estão divididos entre fábricas e centros empresariais (para não mencionar os condomínios turísticos…). Basicamente, os Amish precisam de mais terra, que hoje é mais escassa e cara.
O que a comunidade religiosa separatista poderia fazer? Tornar-se menos separatista. Hoje, a maioria dos Amish não tem a agricultura como sua única fonte de renda. Além de manter negócios relacionados até mesmo com a indústria do turismo, alguns Amish têm trabalhado em áreas diferentes, fazendo com que seja cada vez mais difícil manter a tradição separatista.
Editora Globo
(Foto: Stig Nygaard)
5) Freetown Christiania
A area conhecida como Christiania Freetown era, originalmente, uma base militar que tinha a missão de defender um dos principais cursos de água da capital dinamarquesa. Mas em 1971, foi ocupada por invasores de uma natureza que nem ninguém do exército dinarmaquês foi capaz de prever: hippies. 
A base não estava sendo usada, por isso foi tão fácil ocupar a terra sem precisar estar armado. O grupo declarou a base abandonada como sendo seu próprio país autônomo. Com pouca resistência graças ao governo tolerante, os moradores de Christiania passaram os últimos anos vivendo em uma sociedade em que todos os bens eram de propriedade coletiva, todas as decisões eram tomadas por consenso do grupo e toda a maconha crescia e era vendida abertamente. Através desses anos, os hippies se tornaram “empresários” também. Fundaram empresas e abriram cafeterias e lojas de todos os tipos.
Apesar de ser uma das principais atrações turísticas da cidade de Copenhagen, os dias de Christiania podem estar contados. Desde 2004, o recém-eleito governo (considerado conservador) tem reprimido a cultura hippie. Primeiro, realizando uma operação de apreensão às drogas e, mais recentemente, criando um plano de desenvolvimento no território (que tecnicamente ainda é propriedade federal).
Segundo o jornal Post Copenhague, adultos que vivem em Christiania teriam pago previamente cerca de US $ 45 (o equivalente a R$90) por mês para viver lá. Agora, eles terão de pagar ao governo algo em torno de US $ 800 (cerca de R$1600) por mês. Além disso, o plano dá ao governo o direito de derrubar algumas casas construídas por hippies e substituí-las por condomínios.
(Via
neatorama)
Fonte:Revista Galileu/RN em Rede

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.