domingo , janeiro 22 2017
As gostosas do BBB em ensaios da Playboy e Sexy
Home / Justiça / Em dez anos a organização criminosa chefiada por Cachoeira movimentou R$ 84 bilhões

Em dez anos a organização criminosa chefiada por Cachoeira movimentou R$ 84 bilhões

A organização criminosa chefiada pelo empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, movimentou nos últimos dez anos mais de R$ 84 bilhões. Os dados constam do parecer que será apresentado pelo relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG).

De acordo com o petista, a movimentação corresponde a valores que foram recebidos e também usados para pagamentos por integrantes da organização entre os anos de 2002 e 2012. O valor pode ser ainda maior, tendo em vista que o montante corresponde à análise das quebras de sigilos bancários e fiscal feitas até o último dia 1º de outubro.

“Um lado positivo da prorrogação dos trabalhos é que poderemos aprofundar a análise dos dados que ainda estão chegando à comissão”, disse Cunha à Agência Brasil. Ele disse que chegou ao valor de R$ 84 bilhões em movimentações do esquema, analisando 75 quebras de sigilos de pessoas físicas e jurídicas ligadas a Cachoeira.

Hoje (16), os líderes da CPMI decidiram que vão prorrogar os trabalhos da comissão. No entanto, deixaram para depois do segundo turno das eleições municipais a decisão do prazo para mais investigação. Inicialmente, o colegiado encerraria as atividades no próximo dia 4 de novembro.

“Os partidos entenderam que, por estarmos vivendo um período eleitoral, não poderíamos contaminar nenhuma discussão de apresentação de relatório ou outras discussões de requerimentos. Mas, por unanimidade, os partidos também entenderam que devem prorrogar os trabalhos da comissão”, disse o  presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB).

O vice-presidente da CPMI, deputado Paulo Teixeira (PT-SP) disse que é preciso avaliar o trabalho que já foi feito para posteriormente definir o prazo da prorrogação. “Ainda temos que refletir o trabalho que nos resta. Temos que fazer um balanço do que fizemos, onde já chegamos e o tempo que necessitamos para conclusão da CPI. Por isso, resolvemos não fixar o tempo de maneira peremptória. Prazo hoje é desejo, e não podemos trabalhar com desejos. Temos que ter cronograma”, disse Teixeira.

O líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR), defende que a comissão tenha mais 180 dias para concluir as investigações. “Regimentalmente, temos mais 180 dias. Temos que quebrar o sigilo das 29 empresas que receberam recursos da Delta. Essa não é mais uma CPI do Cachoeira, mas
também uma CPI da Delta”, frisou o tucano.

Assim como ocorreu durante o primeiro turno das eleições municipais, os membros da CPMI decidiram suspender as atividades durante o segundo turno. Com isso, a comissão só volta a se reunir na terça-feira (30) quando será definido o prazo de prorrogação dos trabalhos e também
serão votados mais de 500 requerimentos que constam na pauta.

Apesar do acordo dos líderes para prorrogação dos trabalhos da CPMI do Cachoeira, ainda é necessária a coleta de 171 assinaturas de deputados e 27 senadores para extensão do prazo da comissão.

Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A assistente de palco do João Kleber, Dayse Brucieri
error: Você não tem permissão para usar essa função.