sexta-feira , dezembro 2 2016
Home / RN / Jovem matou vizinho a facadas e se entregou à polícia em Natal

Jovem matou vizinho a facadas e se entregou à polícia em Natal

Crime ocorreu na madrugada deste domingo (19), na zona Oeste da capital.
Vítima e réu confesso moravam no mesmo condomínio e eram amigos.

Uma discussão entre dois homens acabou em morte no Bairro Nazaré, zona Oeste de Natal. De acordo com informações repassadas ao G1 pelo coronel Wellington Alves, titular do Comando do Policiamento da Capital, Leandro da Silva, de 21 anos, e José Dantas, de 57 anos, eram vizinhos e amigos. Os dois bebiam quando iniciaram uma discussão. Após brigarem verbalmente, Leandro pegou uma faca tipo peixeira e desferiu dois golpes contra José Dantas. Uma facada atingiu o tórax e a outra o pescoço da vítima, que morreu antes de ser socorrida. 
 Conforme relato do coronel Alves, Leandro da Silva e José Dantas moravam no Condomínio Lima e Silva, na Avenida Coronel Estevam. Vítima e réu confesso bebiam no apartamento no qual José Dantas morava, que ficava um andar acima do qual reside Leandro da Silva. Após atingir José Dantas, Leandro saiu do imóvel. Ele se dirigiu à sede do Ceduc no mesmo bairro e comunicou aos policiais militares que faziam a guarda do local que tinha cometido o crime.
 Os policiais acionaram uma viatura para resguardá-los e acionaram uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Ao chegarem ao local do crime, José Dantas estava desacordado. Os enfermeiros do Samu constataram a morte da vítima, inicialmente causada por hemorragia. Em seguida, o Instituto Técnico e Científico de Polícia (Itep) foi chamado para realizar a remoção do corpo.
 Leandro da Silva foi autuado em flagrante e conduzido à delegacia de plantão da Zona Sul, em Candelária. Ao delegado de plantão, ele prestou depoimento e, em seguida, foi liberado. De acordo com o coronel Alves, a argumentação que o levou a praticar o crime e o fato dele ter assumido e se apresentado espontaneamente, podem ter sido fatores que contribuíram para que a investigação do crime ocorra com o réu confesso em liberdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Você não tem permissão para usar essa função.